04 dezembro 2012

Partida



Saberás a razão de eu partir
quando de mim
te restar, apenas,
a ausência.

Sentirás o gosto da minha partida
no ranger do soalho
coberto de pó
e na debilidade
da cor das paredes, outrora,
emolduradas.

Com o passar dos dias
regressará o silêncio quebrado,
unicamente,
pela pressão dos teus passos.

Aperceber-te-ás então do seu peso
e lerás nos vestígios
que atrás deixei
o rasto de alguém
que partiu, decididamente,
magoado.

( Florbela Ribeiro )

1 comentário:

  1. A partida machuca como a música em noite solitária! abraços

    ResponderEliminar